REVISTA ELETRÔNICA de EDUCAÇÃO & SAÚDE.

REVISTA ELETRÔNICA de EDUCAÇÃO & SAÚDE (ano XXXV) 2018 ou 5779
Criação e realização do biólogo e professor JOÃO ANGELO MARTIGNONI TEIXEIRA
Orientação e configuração do engenheiro e professor EVERARD LUCAS CARDOSO

26 de set de 2018

ACTA e PASSIO (COSME e DAMIÃO) e o dia mundial da doação de órgãos.

26 e 27 de Setembro: Cosme (Acta) e Damião (Passio)

O nome Cosme significa "enfeitado" (do radical grego Kosmetos) e Damião significa "popular" (do radical grego Demos).
Comemora-se nestas datas a festa de dois santos especiais para a Igreja Católica e por religiões afro-brasileiras, como o Candomblé, que enfeitam lugares com bandeiras e vários desenhos onde, para relembrá-los, se tem a tradição de distribuir doces para crianças e adolescentes.
Cosme e Damião foram exercer medicina na Síria, em Egeia (atualmente Ayas, no Golfo do Iskenderun, Cilícia, na Ásia Menor), sem receber qualquer pagamento, curavam em nome de Jesus Cristo, orando e realizando diversas curas e inúmeros milagres. 
Na Grécia Antiga existiam registros de cultos a estes santos, que percorreram séculos e são festejados por diversas religiões. Hoje são os padroeiros dos Farmacêuticos, das Faculdades de Medicina, barbeiros e cabeleireiros e protegem orfanatos, creches, doceiras, filhos em casa, além de doenças como hérnia e peste.
A história destes dois santos cujo os nomes eram Acta e Passio, começa no século III da era cristã, em Egeia, e é envolta em lendas e folclores. Estes gêmeos nasceram na Arábia, eram filhos de uma família que se converteu ao cristianismo quando os dois eram adolescentes. Cosme e Damião tinham mais três irmãos, Antimo, Leôncio e Euprepio.
Teoricamente, se tornaram médicos graças a um homem (Levi), que lhes transmitiu seus próprios conhecimentos e, através do ofício da medicina, os dois puderam cativar mais pessoas para o exercício da fé cristã. Curavam não só por seus tratamentos médicos, mas também através das orações que faziam. 
Devotos fervorosos e muito respeitados na comunidade, Cosme e Damião chamaram a atenção das autoridades locais. Neste período, o imperador romano Diocleciano havia autorizado a perseguição aos cristãos, uma vez que estes despertaram sua ira por serem fiéis a Jesus e não idolatrarem as esculturas consideradas sagradas pelo Império Romano.
Os irmãos, então, por ordem do prefeito Lísias, foram perseguidos, presos, sofreram diversos tipos de tortura, mas mantiveram sua fé: "Nós curamos as doenças em nome de Jesus Cristo, pela força do Seu poder”, afirmavam. 
Deu-se a condenação à morte. Quatro soldados os atingiram com setas, mas os irmãos resistiram, assim como sobreviveram a pedradas e flechadas. Os militares recorreram à decapitação por espada. Cosme e Damião morreram no dia 27 de Setembro como mártires e seus três irmãos (Antimo, Leôncio e Euprepio) também. Tiveram seus corpos transportados para Roma.
Cem anos depois, no entanto, iniciou-se uma verdadeira idolatria aos seus restos mortais. Foram esculpidas imagens em sua homenagem, as quais eram absolutamente reverenciadas. Até que, por volta do ano 520 d.C, dois séculos depois, em Roma, uma basílica foi construída a pedido do Papa Félix IV para honrar Cosme e Damião. A solenidade de consagração desta basílica foi no dia 26 de Setembro (daí a tradição dos católicos de festejar os dois santos nesta data).
Aqui no Brasil, o culto aos santos começou em 1535, quando foi erguida a primeira igreja católica do país, em Igarassu (PE), que recebeu o nome deles. Mais tarde, como os escravos não podiam professar a própria crença, era preciso que houvesse o sincretismo religioso da devoção trazida pelos portugueses com o culto aos orixás-meninos - os Erês - da tradição africana yorubá. Na umbanda e no candomblé, os santos gêmeos são tão populares quanto Santo Antônio e São João. As festas que homenageiam Cosme e Damião ocorrem no dia 27 de Setembro e nelas distribui-se doces e balas às crianças. Na década de 1970, o Vaticano mudou oficialmente para 26 de Setembro o dia de homenagear os santos, mas na tradição popular a data antiga foi mantida. E no dia 01 de Novembro pela igreja Ortodoxa.


Reeditado em 27/9/2014 a 2018 por João Angelo (baseado em diversas pesquisas, entre elas, algumas publicações do Jornal A Voz da Serra).

Um comentário:

Felipe da Costa Soares disse...

A dúvida é: porque Acta e Passio receberam os nomes de Cosme e Damião?